Mossoró/RN, 21 de Junho de 2021

Ufersa, UFRN e IFRN garantem assistência estudantil, mas temem por funcionamento

Após o bloqueio de 30% em seus orçamentos pelo Governo do Presidente da República Jair Bolsonaro, a Ufersa, UFRN e IFRN divulgaram notas garantindo a continuidade da assistência estudantil, temendo, porém, pelo funcionamento de suas estruturas.

Na Ufersa, o bloqueio de 30% anunciado pelo Ministério da Educação,
por meio do Decreto 9741/2019, vai ocasionar numa redução de R$ 15,8 milhões de receitas para a instituição. A gestão da Universidade informou que ainda avalia os impactos do bloqueio, mas já adiantou que haverá dificuldade para garantir o pleno funcionamento dos seus quatro campi.

“O bloqueio dos recursos vai interferir nos investimentos e, principalmente, no custeio da Universidade. Despesas, como contas de luz, água e contratos de manutenção podem ser prejudicadas diante do Decreto. Com isso, a gestão da Ufersa vai realizar uma revisão geral em todos os seus contratos e avaliar as licitações de construção e de melhorias prediais e de equipamentos que estão em andamento”, informou a instituição.

No IFRN, o bloqueio representa um valor de 27 milhões de reais a menos em recursos de custeio. “O corte é significativo e poderá inviabilizar o funcionamento do IFRN. Nesse sentido, estamos buscando interlocução com diversos agentes públicos a fim de garantir a integralidade do orçamento do Instituto.”, explicou o reitor Wyllys Farkatt Tabosa.

Em nota, a UFRN não revelou o valor bloqueado, mas reconheceu que a medida terá um impacto expressivo no funcionamento da instituição. “Esperamos que esta situação possa ser revertida e os recursos previstos sejam liberados para que possamos cumprir com nossa importante missão de instituição pública”, publicou.

Postado em 4 de maio de 2019