Mossoró/RN, 10 de Maio de 2021

Apamim não abre um novo leito de UTI no Hospital São Luiz há quase um mês

Com todos os 40 leitos de UTI para covid-19 em Mossoró lotados, a morosidade tem sido a tônica para a ampliação da estrutura de saúde pública para o combate à covid-19 na segunda maior cidade do estado do Rio Grande do Norte.

Lançado como solução para o enfrentamento do novo coronavírus, o Hospital São Luiz, o Hospital de Campanha de Mossoró, não sabe o que é um novo leito de UTI há quase um mês.

A instalação do Hospital de Campanha de Mossoró é uma parceria entre a Prefeitura de Mossoró e Governo do Estado, administrado pela já longínqua junta interventora da Apamim. A promessa era de abertura de 35 leitos de UTI e 65 de enfermaria. Mas até agora, a Apamim ainda não entregou aos mossoroenses nem metade do que foi prometido.

Os 10 últimos leitos, de um total de 20 instalados até o momento, foram abertos no dia 09 de maio, há 24 dias. Nesse período, o número de mortes por covid-19 em Mossoró quase triplicou, saltando de 20, até às 13h do dia 10 de maio, para 58, até às 23h do dia 31 de maio.

Os últimos cinco leitos de UTI para covid-19 para Mossoró foram instalados no Hospital Regional Tarcísio Maia, no dia 21 de maio, há quase duas semanas. Tempo suficiente para Mossoró registrar 22 novos óbitos por covid-19, saltando de 36 para 58 no período.

Os números mostram que a abertura de novos leitos de UTI está em ponto morto enquanto que as mortes seguem em alta velocidade. O coronavírus está agindo muito mais rápido do que Apamim, Prefeitura de Mossoró e Governo do Estado juntos.

Foto: Cezar Alves/Apamim

Postado em 2 de junho de 2020