Mossoró/RN, 07 de Maio de 2021

Com 85% dos leitos críticos ocupados, Fátima sucumbe à pressão de 100% da economia

O Governo do Estado vinha insistindo que era precisa alcançar determinados percentuais de transmissibilidade do novo coronavírus e de ocupação dos leitos críticos para covid-19 para retomada da economia.

Mas a governadora Fátima Bezerra sucumbia à pressão empresarial e resolveu ignorar o critério da ocupação de leitos para liberar a retomada das atividades econômica a partir desta quarta-feira (1°).

Se o índice de transmissibilidade caiu para menos de 1, considerado adequado para iniciar a retomada da economia, a ocupação dos leitos críticos ainda não alcançou o percentual de 70%. Nesta manhã (30), está em 84,72%, mais se aproxima de 100% nas regiões Metropolitana e Oeste, de acordo com dados do sistema de regulação.

Mossoró, por exemplo, tem neste momento apenas 1 leito de UTI para covid-19 disponível, de 49 em operação. Outros 6, no Hospital São Luiz, estão em manutenção há quase uma semana.

Há exatamente uma semana, terça-feira (23), o  integrante do Comitê Científico e coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (Lais) da UFRN, professor Ricardo Valentim, foi taxativo sobre as condições para retomada da economia: “É preciso taxa de transmissão abaixo de 1 e a ocupação de leitos críticos no máximo em 70%”.

A taxa de ocupação de leitos críticos hoje é a mesma da semana passada, em torno de 85%. Mas a taxa que foi levada em conta mesmo foi a de pressão dos empresários, bem acima de 100%.

Postado em 30 de junho de 2020