Mossoró/RN, 07 de Maio de 2021

Cem dias depois, Prefeitura de Mossoró ainda não gastou o primeiro repasse feito pelo Governo Federal para covid-19 e tem mais de R$ 30 milhões em caixa

No dia 13 de abril deste ano, a Prefeitura de Mossoró recebeu o primeiro repasse do Governo Federal para ações de enfrentamento ao novo coronavírus, no valor de R$ 5.653.891,71, de acordo com dados do Portal da Transparência.

Exatamente 100 dias depois, nesta quarta-feira (22), a Prefeitura de Mossoró ainda não gastou esses primeiros recursos e acumula mais de R$ 30 milhões em caixa, apesar dos milhares de casos confirmados e das dezenas de mortes provocadas pelo coronavírus.

Desde o início da pandemia, já são 25 transferências do Governo Federal, 1 do Governo do Estado, 1 de instituições privadas e 1 de pessoa física, totalizando R$ 45.395.789,47 que entraram nos cofres da Prefeitura de Mossoró para o combate à covid-19.

No Portal Covid-19, as despesas totalizam R$ 15.714.001,56, mas inclui os R$ 10.965.009,93 repassados à Apamim (Associação de Proteção e Assistência à Maternidade e Infância de Mossoró), que entram nos cofres do Município por formalidade. As despesas também incluem os R$ 715.658,25 aplicados do FIA (Fundo para Infância e Adolescência), que não fazem parte das receitas para covid-19.

Dessa forma, a Prefeitura de Mossoró só gastou mesmo R$ 4.033.333,38 até aqui, valor inferior ao primeiro repasse feito há 100 dias pelo Governo Federal. Só em relação ao primeiro repasse, a gestão Rosalba Ciarlini ainda tem um saldo de R$ 1.620.558,33, e um total em caixa de R$ 30.397.446,16.

São números que mostram claramente que sobraram recursos e faltaram ações para o enfrentamento do novo coronavírus em Mossoró.

Em razão, em parte, da omissão da gestão Rosalba, Mossoró tem 4.306 casos confirmados e 166 óbitos por covid=19. A Prefeitura de Mossoró só realizou uma ação mais efetiva de fiscalização das regras de isolamento social no final do mês de maio, e a testagem da população só está ocorrendo, de forma tímida, agora em julho.

A prefeita também autorizou a retomadas das atividades econômicas com os leitos de UTI para covid-19 com altas taxas de ocupação, em 100%, no caso da primeira semana, respaldada, segundo ela, por um Comitê formado exclusivamente por secretários municipais.

Confira as transferências para a covid-19:

Postado em 22 de julho de 2020