Mossoró/RN, 17 de Maio de 2021

Rosalba dá aditivo de quase R$ 2 milhões à empresa de obra de saneamento

Empresas que prestam serviços à Prefeitura de Mossoró continuam fazendo a festa com aditivos de preço, que é quando a obra ou serviço fica mais caro. E o aditivo mais recente concedido pela prefeita Rosalba Ciarlini chama a atenção. São quase R$ 2 milhões em uma tacada só.

A empresa beneficiada foi a Poly Construções e Empreendimentos LTDA. De acordo com dados do Jornal Oficial do Município (JOM), o Contrato Nº 225/2018, firmado em 26/07/2018, recebeu aditamento de valor de R$ 1.969.637,58, no último dia 04 de setembro.

Na verdade, essa obra já deveria ter sido concluída, em 25 de julho de 2019. Mas recebeu também aditivos de prazo, que prolongam à sua entrega. Originalmente, a obra custaria R$ 11.688.640,67. Mas somente com o aditivo mais recente ficou quase 17% mais cara.

O objeto do contrato foi “a realização das  obras  de  ampliação do  sistema  de  esgotamento  sanitário  da  cidade,  referente  a  Bacia  01  (2ª  etapa) que  contempla  diversas  ruas  nos  bairros  Abolição,  Santa  Delmira,  Santo  Antônio e Barrocas”. A obra não foi entregue no prazo a já ficou alguns milhões mais cara.

Em nota enviada nesta sexta-feira (11), a Prefeitura de Mossoró argumentou que o aditivo foi em razão do acréscimo de serviços na obra.

Confira a nota na íntegra:

A Prefeitura de Mossoró informa que durante o processo de execução da obra, que contempla emissários, redes e ligações, a equipe técnica da secretaria avaliou como necessário o acréscimo de alguns serviços, que ocasionou incremento na planilha orçamentária. Trata-se de um convênio firmado em 2011 com a Caixa Economia Federal, cujas obras foram retomadas na atual administração.

Foi verificada também a necessidade de recuperação do pavimento, aumentando as áreas que receberam esse tipo de trabalho, melhorando a mobilidade urbana nos trechos. Com isso, foram ampliados os serviços de pavimentação a paralelepípedo.

Outro item acrescentado na execução foi a inclusão dos poços de visita, instalação por onde se tem acesso às redes coletoras com tampões herméticos. Como também a necessidade de executar o próprio coletor-tronco pelo método convencional dentro do Canal Riacho Doce e Termas. Este coletor recebe todas as redes coletoras que serão levadas a uma estação elevatória e depois a lagoa de tratamento, prevenindo problemas de infraestrutura nas vias para assim dar plena funcionalidade à obra de esgotamento sanitário da região, aguardada há mais de 10 anos pela população. O objetivo com o aditivo é dotar de condições técnicas, resguardando a legalidade, se adequando às normas da engenharia sanitária para que o sistema possa entrar em operação nos próximos 60 dias. Esse convênio é fiscalizado pela Caixa Econômica Federal.

Postado em 9 de setembro de 2020