Mossoró/RN, 21 de Abril de 2021

Ronaldo e Yasmin se posicionam contra o projeto de desmonte e privatização do SUS pelo governo federal

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira 27/11 o Decreto 10530/220, que autoriza a equipe econômica a estudar um modelo de privatização das Unidades Básicas de Saúde. Para o professor Ronaldo Garcia, servidor público, este projeto se caracteriza como efetivo desmonte do Sistema Único de Saúde: “o SUS é um patrimônio do povo brasileiro e precisa ser defendido. Com todos seus problemas, ainda garante atenção básica a saúde para as populações carentes, nos bairros e periferias. O projeto do governo federal é fazer a iniciativa privada invadir as conquistas populares e tornar aquilo que deveria ser um direito em uma mercadoria” – afirmou o candidato a prefeito de Mossoró pelo PSOL.

A medida foi duramente criticada pelo Conselho Nacional de Saúde como um ataque à universalidade do direito à saúde, e como um projeto inconstitucional que visa a privatização de um direito.

Para Yasmin Dias, candidata à vice prefeita, qualquer medida de privatização dos servições de saúde vai afetar primeiramente a população pobre e das periferias: “normalmente quem tem mais renda busca os planos de saúde, mas não é o caso do público que vai diariamente as Unidades Básicas de Saúde para conseguir fichas e ser atendido pelas equipes de saúde nos bairros mais pobres da cidade. Precisamos de um plano para reestruturar as UBSs e contratar mais profissionais da saúde, e isto é o contrário de privatizar e restringir o acesso” – afirmou a candidata.

Dentre o programa do PSOL para Mossoró, estão previstas a reestruturação e reabertura das Unidades Básicas de Saúde que estejam deterioradas ou que foram fechadas por falta de recursos públicos ou de pessoal. É o caso, por exemplo, da UBS do CAIC do Belo Horizonte.

Postado em 29 de outubro de 2020