Mossoró/RN, 21 de Abril de 2021

Sindicato afirma que banco ignora segurança dos bancários após foco de contaminação

O Sindicato dos Bancários de Mossoró usou sua página oficial na internet para informar que o Banco do Brasil, localizado na Praça Vigário Antônio Joaquim, no centro de Mossoró, apresenta quadro de funcionários afastados por sintomas do novo coronavírus.

De acordo com o sindicato, um deles já testou positivo para a Covid-19 e o banco de recusa a tomar medidas de segurança como afastamento dos demais colegas que mantiveram contato com os suspeitos/infectada, fechamento da agencia para desinfecção do prédio e publicidade aos clientes.

O órgão sindical relata que na manhã desta quinta-feira recebeu denúncia de vários funcionários do Banco do Brasil que trabalham no prédio sobre foco de contaminação pelo coronavírus naquele ambiente. Ao todo, até agora, foram 5 funcionários afastados, sendo que um já testado e confirmado com a doença, e o prédio sequer foi fechado ou os demais funcionários afastados como preconiza as normas sanitárias vigentes sobre os casos.

 TERROR

Os funcionários mostraram-se assustados e perplexos ante o descaso com que os gestores e a instituição estão tratando o caso, posto que pode haver mais funcionários infectados transmitindo entre eles e para a população que é atendida naquele ambiente.

O coordenador geral do Sindicato, Assis Neto, mostrou-se extremamente preocupado com a situação e imediatamente entrou em contato com vários gerentes do Banco que sustentaram o não fechamento do ambiente contaminado e o não afastamento dos demais colegas que trabalham no recinto, expondo-os todos, inclusive eles próprios, às mazelas desta perigosa doença que já ceifou mais de 165.000 mortes no nosso país.

PROVIDÊNCIAS

O Sindicato, através da sua assessoria jurídica, deverá entrar com representação junto ao Ministério Público do Trabalho a fim de cessar o abuso da instituição e a exposição dos colegas à doença, já que em outros casos essa medida foi tomada e mostrou-se eficiente, levando em consideração também que alguns diretores e dirigentes sindicais que trabalham no prédio em questão estão afastados por motivo de comorbidades e pertencem ao grupo de risco.

Postado em 19 de novembro de 2020