Mossoró/RN, 10 de Maio de 2021

Pacientes morrem enquanto conserto de tomógrafo do Tarcísio Maia para na burocracia

Mossoró, a segunda maior cidade do Rio Grande do Norte e uma das principais do interior nordestino, não tem, hoje, onde um paciente fazer uma tomografia pelo SUS. É isso mesmo. O tomógrafo do Hospital Regional Tarcísio Maia está quebrado e nenhum hospital particular se dispõe a realizar os exames.

Os pacientes estão sendo encaminhados para Natal. Dois deles não conseguiram chegar até a capital do estado, morreram na estrada da omissão do poder público e de todo um sistema que poderia impedir esse tipo de situação.

O diretor administrativo do Tarcísio Maia, Valmir Alves, informou ao PORTAL DO OESTE que a compra do equipamento, uma ampola, para conserto do tomógrafo ainda depende dos trâmites burocráticos. Burocracia que está custando vidas.

A solução poderia ser contratos emergenciais com a rede privada para realização dos exames. Mas por conta de dívidas, os hospitais privados não estão dispostos a entrar novamente nessa aventura sem garantia de pagamento.

E mesmo com pessoas morrendo, o Ministério Público e a Justiça ainda não mexeram uma palha para tentar agilizar o processo. Não seria possível dispensar toda essa burocracia em nome das vidas que ainda podem ser salvas? Ao que parece, seguir trâmites burocráticos é mais importante do que as vidas de quem precisa do SUS.

Postado em 3 de abril de 2019