Mossoró/RN, 26 de Setembro de 2021

OBVIO RN atualiza dados das Condutas Violentas Letais Intencionais (CVLIS) do RN até Junho de 2019 e aponta caso de Mossoró

O OBVIO RN (Observatório da Violência do Rio Grande do Norte), Instituto Marcos Dionísio Medeiros Caldas, Grupo de Pesquisa do Departamento de Ciências Humanas da UFERSA (Universidade Federal Rural do Semi-Àrido), traz mais uma atualização dos dados concernentes às chamadas CVLIs (Condutas Violentas Letais Intencionais): homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte, latrocínio, intervenção policial, femicídio e feminicídio.

O fechamento do mês de junho deste ano, no comparativo com os demais anos, principalmente com 2018, expõe uma queda significativa nos números absolutos de CVLIs, sendo até 30 de junho de 2019 com 101 ocorrências confirmadas contra 188 em 2018, 175 em 2017, 176 em 2016 e 112 em 2015. Lembrando que o comparativo para fins desta análise é do período de 01 de janeiro a 30 de junho, ou seja, o primeiro semestre dos anos supracitados.

Com exceção de feminicídios, onde não houve variação alguma, todas as demais formas de CVLIs apresentaram forte variação negativa, perfazendo até agora queda de cerca de 46% nos meses de junho de 2019 em comparação com 2018. Natal e sua Região Metropolitana (assim como o Leste Potiguar) respondem pela ampla maioria dos CVLIs, acompanhado de Mossoró e seu entorno. O quadro mantém o perfil geográfico das mortes matadas no RN, desde que este Observatório e seus responsáveis passaram a acompanhar em 2011. Os demais perfis se mantêm: homens, jovens, pardos e negros, moradores de periferia, baixa escolaridade e renda, solteiros, vitimados por armas de fogo e por homicídios dolosos.

No que se refere a uma análise do município de Mossoró, mais especificamente, a variação de queda permanece, sendo computados no período já comentado de 125 CVLIs em 2018 para 93 neste 2019. Importa apontar que entre 2016 e 2018 a variação foi quase inexistente (2016, 130 CVLIs; 2017, 129 CVLIs; e 2018, 125 CVLIs), havendo variação negativa significativa apenas agora em 2019.

Mossoró apresentou um único mês, neste 2019, fora do cômputo de variação negativa que vinha registrando desde o ano passado, que foi maio. Neste mês, ocorreram 23 CVLIs, contra 10 em 2018 e, praticamente, repetindo as taxas de 2017 (24 CVLIs) e 2016 (20 CVLIs). Neste mês de junho, a cidade manteve taxa de variação zero, pois repetiu os mesmos 18 CVLIs do ano passado.  Os dados apontam um descenso nas quedas de vitimização, mas ainda é precoce apontar se isso é permanente ou não.

Outro elemento que chamou a atenção deste Observatório foi a vitimização espacial fora do perfil tradicional da cidade: os bairros Planalto 13 de Maio e Alto de São Manoel (circunvizinhos), apresentaram variação positiva de cerca de 600%. Enquanto praticamente todos os demais apresentaram variação negativa ou variação positiva dentro do esperado, ambos os bairros tiveram altas muito impactantes.

Os dados mostram que, possivelmente, estamos diante de uma forte disputa por área de tráfico de drogas naquela região, já que os bairros, além de interligados, correspondem a uma espacialidade e dinâmica própria em ternos de ocupação econômica do varejo de entorpecentes ilícitos em Mossoró. O que chama a atenção e nos levam a hipótese anterior (além dos dados espaciais e socioculturais, além da inteligência policial)  é o perfil das vitimizações: jovens, uso de arma de fogo (pistolas .40 e 9mm), homicídio doloso (execução sumária) e modus operandi similares nas mortes violentas.

Prof. Dr. Thadeu de Sousa Brandão, Coordenador do OBVIO RN.

Postado em 2 de julho de 2019