Mossoró/RN, 17 de Maio de 2021

MPF não viu irregularidade em aplicação da Coronavac em Mossoró

A Prefeitura de Mossoró não figurou como ré na ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e a Defensoria Pública Estadual (DPE/RN) com pedido de liminar para assegurar a aplicação da segunda dose (D2) de Coronavac. Motivo é que o MPF não viu irregularidade na aplicação das doses de Coronavac pelo Município de Mossoró, ao contrário da Prefeitura do Natal.

AO PORTAL DO OESTE, o MPF justificou que o Ministério da Saúde autorizou o uso dos últimos lotes de Coronavac como D1, desobrigando os Municípios de estocarem vacinas para segunda dose. A diferença entre Mossoró e Natal, segundo o MPF, é que a Prefeitura do Natal continuou usando todas as doses “mesmo depois de identificado o problema”.

Com esse entendimento, a ação tem como alvos a União, o Governo do Estado e a Prefeitura do Natal.

Confira os detalhes abaixo:

Postado em 3 de maio de 2021