Mossoró/RN, 29 de Novembro de 2021

Sem lance, ACDP não é arrematada em leilão do TRT/RN

A ACDP, sede do Potiguar de Mossoró, não foi arrematada em leilão realizado nesta quarta-feira (23) pelo Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN).

Segundo o TRT/RN informou há pouco ao PORTAL DO OESTE, não houve oferta de lance para arremate do imóvel localizado na Ilha de Santa Luzia, em Mossoró.

A ACDP, com área de 5.493,11m², estava avaliada em R$ 5,7 milhões, mas poderá ser arrematada até pela metade desse valor em segundo pregão.

Segundo o presidente do Potiguar, Djalma Júnior, as dívidas do clube giram em torno de R$ 1,2 milhão. “Parte dessas dívidas já prescreveram e o clube tem como entrar com recurso para diminuição do valor, principalmente de tributos, que podem reduzir o montante para R$ 800 mil, R$ 900 mil”, destacou o dirigente.

O objetivo do Potiguar é vender a ACDP antes da realização do próximo pregão. “Dessa forma, daria pra gente construir um ou dois campos para o Potiguar e ainda formar um time”, ressaltou Djalma Júnior. Já há conversas em andamento, mas sem proposta concreta de compra do imóvel.

Até dezembro, o TRT-RN já programou mais dois leilões ordinários sendo que um deles será realizado, no dia 22 de setembro, durante a 11ª Semana Nacional da Execução Trabalhista, e o último deverá acontecer no dia 16 de dezembro.

O leilão virtual de ontem foi o segundo de 2021 e teve bens penhorados nas Varas do Trabalho de Natal, Mossoró, Caicó e Currais Novos, registrando recorde de arrecadação: R$ 4.041.305,04.

Na ocasião, entre os bens leiloados, destacaram-se uma churrascaria localizada em Mossoró alienada pelo valor de R$ 1.256.330,00, um terreno na Zona Norte de Natal, antes avaliado em 12 mil reais, que foi arrematado por mais de 154 mil reais, e um caminhão de carga adquirido por 140 mil reais, após 86 lances.   

“Todos esses bons números ratificam a importância da realização das hastas públicas no que tange a eficiência e a eficácia na entrega da prestação jurisdicional, uma vez que, é por meio dos leilões, que os bens penhorados são vendidos e as dívidas trabalhistas podem ser quitadas ou amenizadas”, esclareceu Priscilla Gatto, diretora da Divisão de Inteligência do TRT-RN.

Postado em 24 de junho de 2021