Mossoró/RN, 19 de Agosto de 2022

Produtos embalados perdem peso, mas preços não reduzem

Por Eliane Gonçalves – Repórter da Rádio Nacional – São Paulo

Comerciantes podem ser responsabilizados, solidariamente, por estratégia da indústria de reduzir embalagem de produtos. A empresaria Anne Strada percebeu que o pacote de forma ficou 20 gramas mais leve.

Já o fisioterapeuta Maurício Felix tirou da sacola a barra de chocolate para mostrar o quanto ela encolheu.

Cada vez mais consumidores percebem que estão pagando cada vez mais por menos.

Uma pesquisa do site Reclame Aqui, com quase 7 mil usuários da plataforma, mostra que oito a cada dez consumidores no país notaram que os fabricantes estão reduzindo tamanho, peso ou metragem das embalagens dos produtos, mas sem a respectiva redução do preço.

Essa tática da indústria tem nome novo: reduflação. Já a estratégia é antiga, maquiar a embalagem para disfarçar a inflação reduzindo a quantidade de produto vendida.

A prática é permitida, mas o código de defesa do consumidor e o Ministério da Justiça definem algumas regras. É preciso deixar a mudança explícita na embalagem por pelo menos três meses. A informação precisa estar escrita em letras maiúsculas, negrito, com contraste de cores e em tamanho de fácil visualização.

Quem descumprir as regras pode desde pagar uma multa até ter o direito de produzir suspenso.

Além dos fabricantes, os empresários do comércio também podem ser responsabilizados pelos prejuízos causados. O advogado especializado em direito do consumidor, Arthur Rollo, explica que os comerciantes podem ajudar os consumidores avisando que houve mudança na embalagem, mas destaca que a lei também passou a fazer uma exigência para quem vende, ela obriga que o comerciante discrimine o peso de acordo com uma unidade de medida.

Para os comerciantes, a recomendação da Fecomércio, é de que os empresários chequem se os fornecedores estão cumprindo as regras antes de colocarem os produtos na prateleira. Também orienta a instalar placas e cartazes nos estabelecimentos para dar visibilidade à estratégia. Já os consumidores que se sentirem lesados, a orientação é procurar os órgãos de defesa do consumidor.

Postado em 28 de junho de 2022