Mossoró/RN, 17 de Maio de 2021


MAGNOS ALVES
Jornalista

Allyson silencia sobre ação da Prefeitura de Mossoró no Vuco Vuco

MAGNOS ALVES – magnos.alves@gmail.com

O prefeito Allyson Bezerra decidiu adotar o silêncio como estratégia sobre a ação da Prefeitura de Mossoró que retirou quiosques do Mercado do Vuco Vuco e tem causado desgaste à sua imagem, principalmente pela exploração do caso pela oposição, especialmente os rosalbistas.

O prefeito não falou ou publicou uma linha sequer sobre o assunto nas redes sociais, que é sua principal ferramenta de comunicação.

O silêncio do chefe só leva a uma conclusão: o secretário Brenno Queiroga teve aval superior para bater de frente com os ambulantes que estavam instalados no Vuco Vuco. Os dois, inclusive, cumpriram agenda juntos hoje, na zona rural.

A justificativa é que a ação foi para “organizar” o espaço e que as barracas estavam irregulares. Mas é um argumento frágil. Há barracas irregulares causando desorganização em todo o Centro de Mossoró. Queiroga também vai arrancá-las?

Postado em 22 de abril de 2021

Mais especialistas em hospitais com UTI Covid-19 podem salvar vidas

Depois de acompanhar de perto a perda de uma vida, de um jovem de apenas 25 anos, para a Covid-19, verifiquei que ausência de alguns especialistas nos hospitais está impedindo a recuperação de muitos pacientes críticos e, consequentemente, contribuindo para a morte deles.

A presença de especialistas como infectologista, pneumologista e psicólogo nas equipes de UTI de atendimento Covid-19 é de grande importância para os pacientes. Não vou dizer que ninguém vai morrer, mas não resta dúvida que muitas vidas serão salvas.

Infelizmente, o Hospital São Luiz, o Hospital de Campanha de Mossoró, conta com equipe médica limitada, digamos que apenas com o trivial e não o essencial. O Governo do Estado e a Prefeitura de Mossoró precisam se atentar para a importância desses especialistas no acompanhamento diário dos pacientes, ou continuaremos a ser derrotados, sem grandes reação, pela Covid-19.

Postado em 21 de abril de 2021

Governo Allyson repete Rosalba e arranca barracas de camelôs na calada da noite; Secretaria fala em organização; veja vídeo

O governo do prefeito Allyson Bezerra deu mais uma volta no tempo para repetir ação já praticada pela ex-prefeita Rosalba Ciarlini. Na noite desta terça-feira (20), a Prefeitura de Mossoró arrancou barracas de camelôs que estavam instaladas no Mercado do Vuco-Vuco. A então prefeita Rosalba já havia feito algo do tipo em 2020, só que o alvo estava na Rua Coronel Gurgel.

Voltando mais no tempo, Francisco José Júnior também desencadeou ação contra os ambulantes, em 2015. em uma manhã em que Mossoró parecia estar em guerra. Várias barracas foram retiradas, mas foram reinstaladas depois. A ação virou até motivo de piada, diante da solução apresentada pelo então prefeito: distribuir os comerciantes por alguns pontos da cidade em espaços reduzidos, um quadrado de um metro ou menos.

Em nota, a Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo disse que a retirada das barracas “melhora organização no Vuco Vuco” (veja a nota assinada pelo secretário Brenno Queiroga na íntegra no final do texto).

Então, se o objetivo é organizar, a Prefeitura fará a mesma retirada de barracas da Coronel Gurgel, do Mercado Publico Central e demais ruas do Centro? Ou essa organização se limita ao Vuco Vuco e por qual motivo se limita ao Vuco Vuco? O que os comerciantes do Vuco Vuco têm para serem atendidos num pedido de retirada de ambulantes que os demais, da Coronel Gurgel, do Mercado Público…, não têm?

Essa peleja é antiga. Em 2019, a gestão Rosalba afirmou ter um projeto para acabar com esse problema. Se tinha, até hoje ninguém viu.

A ação desta terça-feira pode até agradar os comerciantes “oficiais” do Vuco Vuco, mas não resolve o problema e deixa claro que foi uma medida apenas para atender a alguém ou a alguns e não ao povo de Mossoró.

O Governo Allyson começa de forma errada a sua relação com esse problema crônico.

Confira a nota da Prefeitura de Mossoró na íntegra:

Secretaria melhora organização no Vuco Vuco

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo concluiu a operação de remoção de boxes irregulares e outros “esqueletos” de boxes, colocados em 2021 no Mercado do Vuco Vuco.

Alguns, inclusive, bloqueavam calçadas, acesso a rampas para pessoas com deficiência e sistema de esgotamento sanitário.

Portanto, a remoção garante acessibilidade, melhora a circulação de pessoas e a organização do mercado, entre outros benefícios.

A secretaria já havia notificado responsáveis para retirada das barracas fora do padrão, que, contudo, continuavam a se multiplicar.

Os boxes foram colocados na virada do ano novo, e alguns estavam sendo vendidos. Usar o patrimônio público para venda é ilegal.

A operação também atendeu apelo dos comerciantes do Vuco Vuco que trabalham há anos no mercado de maneira legalizada.

Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo

Brenno Queiroga – Secretário

Mossoró, terça-feira, 20 de abril de 2021

Confira vídeo publicado nas redes sociais pelo vereador Pablo Aires:

Postado em 21 de abril de 2021

Um clima de ódio e desconfiança alimentado pelo presidente Bolsonaro

POR REPÓRTERES SEM FRONTEIRAS

Ameaças, agressões, assassinatos…  O Brasil continua sendo um país particularmente violento para a imprensa, em que muitos jornalistas são mortos em conexão com seu trabalho. Na maioria dos casos, esses repórteres, locutores de rádio, blogueiros e outros profissionais da informação estavam cobrindo histórias relacionadas à corrupção, políticas públicas ou crime organizado em cidades de pequeno e médio porte, nas quais estão mais vulneráveis.

O trabalho da imprensa brasileira tornou-se especialmente complexo desde que Jair Bolsonaro foi eleito presidente, em 2018.  Insultos, difamação, estigmatização e humilhação de jornalistas passaram a ser a marca registrada do presidente brasileiro.

Qualquer revelação da mídia que ameace os seus interesses ou de seu governo desencadeia uma nova rodada de ataques verbais violentos, que fomentam um clima de ódio e desconfiança em relação aos jornalistas no Brasil. A pandemia do coronavírus expôs sérias dificuldades de acesso à informação no país e deu origem a novos ataques do presidente contra a imprensa, que ele rotula como responsável pela crise e que tenta transformar em verdadeiro bode expiatório.

Além disso, a paisagem midiática brasileira ainda é bastante concentrada, sobretudo nas mãos de grandes famílias de industriais, com frequência, próximas da classe política. O sigilo das fontes é regularmente prejudicado e muitos jornalistas investigativos são alvo de processos judiciais abusivos.

O Brasil caiu quatro posições na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021, ocupando a 111° colocação entre 180 países e territórios.

Postado em 20 de abril de 2021

Governo Allyson vai repetir Silveira e Rosalba em só dar resposta para matéria oba-oba?

Já são duas matérias publicadas pelo PORTAL DO OESTE que não tiveram respostas da Prefeitura de Mossoró. Prefiro ainda não acreditar que o governo Allyson Bezerra vai repetir os ex-prefeitos Silveira Júnior e Rosalba Ciarlini em só dar resposta para publicações oba-oba, aquelas que enxergam um mundo perfeito que não existe.

Denunciamos que a Unidade Básica de Saúde (UBS) Bernadete Bezerra de Souza Ramos estava agendado aplicação da segunda dose da vacina Coronovac para depois do prazo de 28 dias, mesmo com a Prefeitura fazendo campanha para as pessoas voltarem para tomar a segunda dentro do prazo, que é de 28 dias. Procuramos a Prefeitura de Mossoró por uma resposta. Não tivemos.

Denunciamos que a obra do muro de ampliação do Cemitério Novo Tempo se arrasta e que os corpos estão sendo sepultados sob a proteção apenas de mato. Procuramos a Prefeitura de Mossoró por uma resposta. Não tivemos novamente.

É esperar que a mudança prometida por Allyson se estenda também para a relação com a imprensa. Só queremos repostas para informar ao público.

Postado em 13 de abril de 2021

Os 100 dias de Allyson não é 8 e nem 80

Por MAGNOS ALVES – magnos.alves@gmail.com

Estando aqui “desocupado”, após comemorar mais um título do Flamengo, agora sobre o Palmeiras, resolvo fazer uma análise sobre os 100 primeiros dias da gestão do prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra. Serei muito breve, como a alegria dos palmeirenses na disputa por pênaltis. A avaliação que faço é que, por enquanto, o governo do “pobrezinho” não é 8 e nem 80.

Não há grandes feitos a apontar, talvez a liberação do Estádio Nogueirão possa ser colocada numa lista de coisas importantes realmente feitas por interesse e esforço da atual gestão. Mas também não temos e nem devemos cobrar algo extraordinário, pelo menos tão cedo. São apenas 100 dias.

Por enquanto, Allyson surfa nas obras herdadas, paga os salários da sua gestão dentro mês (dezembro ainda aguarda conclusão) e se esforça para tornar algo pequeno ou mediano em grande, por meio de um trabalho incessante de mídia.

Não há nesses 100 dias motivo para grande celebração ou preocupação. Aliás, considero que avaliar uma gestão, após tão pouco tempo, é uma atitude tão desnecessária quanto o pênalti cometido por Rodrigo Caio no jogo de hoje. Deixa a bola rolar.

Postado em 11 de abril de 2021

FNF assume farsa e anuncia “descancelamento” do Campeonato Estadual

A Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF) confirmou há pouco o “descancelamento” do Campeonato Estadual 2021. O cancelamento que nunca existiu de fato, deixa de existir também na ficção criada para pressionar o Governo do RN pela liberação dos jogos.

A FNF publicou que o presidente José Vanildo irá reunir os clubes disputantes para definir o reinício da competição. Nenhum time terá problema por falta de comissão técnica ou jogadores. Ninguém foi demitido, apesar do cancelamento anunciado.

O futebol potiguar fica ainda mais pobre, depois de tentar sustentar uma mentira insustentável.

Postado em 1 de abril de 2021

Governo libera e times do RN voltam a treinar para campeonato “cancelado”; não souberam nem mentir

O Governo do Estado liberou e os times profissionais do Rio Grande do Norte voltaram a treinar nesta terça-feira (30). A preparação, acreditem, é para um campeonato que foi “cancelado”.

O cancelamento de mentirinha foi anunciado pelo presidente da FNF (Federação Norte-rio-grandense de Futebol), José Vanildo, na última quinta-feira (25), como forma de pressionar o Governo do RN a liberar os treinos das equipes e os jogos do Campeonato Estadual 2021, bem como expor politicamente a governadora Fátima Bezerra.

Incrível que se passaram quatro dias desde o cancelamento da competição e nenhum time tenha demitido técnico ou dispensado jogadores. Ora, dos oito times, apenas ABC e América participam de outras competições. As outras seis só jogam o Estadual. Por qual motivo mentiriam suas comissões técnicas e elencos se a competição realmente fosse cancelada? Quem se envolveu com essa farsa, não soube nem mentir.

Postado em 30 de março de 2021

Opinião: O vírus que matou o futebol potiguar foi o da incompetência

DO BLOG DO MAGNOS

A semana foi marcada pela falsa ameaça de cancelamento do Campeonato Estadual 2021. O falso anúncio foi feito pelo presidente da FNF, José Vanildo. Afirmo ser falso por dois motivos: 1: Não se cancela um campeonato profissional da uma hora pra outra; 2: O Potiguar divulgou nota informando que vai esperar pelo novo decreto estadual de enfrentamento à pandemia. É lógico que se o campeonato tivera sido cancelado, o time mossoroense não teria motivo para esperar por novo decreto.

Na verdade, o falso cancelamento não passou de um ato político e de pressão do presidente FNF sobre a governadora Fátima Bezerra e o Governo do RN. A motivação política é fácil de explicar: José Vanildo, o presidente, faz parte do quadro de secretários da Prefeitura do Natal, na pasta da Habitação, e o prefeito da capital, Álvaro Dias, é o principal opositor às medidas adotadas por Fátima ao longo da pandemia, enquanto ela defende isolamento social e medidas orientadas pela ciência, ele faz propaganda por ivermectina, um dos medicamento sem eficácia comprovada contra a Covid-19.

As restrições necessárias e impostas pela pandemia do novo coronavírus já estão sendo colocadas, pelo oportunistas, como culpadas “pelo fim do futebol potiguar”. Que piada mais sem graça! O vírus que realmente destruiu o futebol local foi o da incompetência.

Daqui a 13 dias, em 10 de abril, José Vanildo completa 13 anos à frente da FNF. Ele era vice-presidente e assumiu em 2008, depois que o presidente Alexandre Cavalcanti renunciou. De lá pra cá, o futebol potiguar caiu da segunda para a quarta, e última, divisão do futebol nacional. Será que a culpa foi da pandemia?

Em 2008, ABC e América, os dois principais clubes do estado, disputaram juntos a Série B do Campeonato Brasileiro. O alvinegro foi o 13° colocado, com 48 pontos, e o alvirrubro o 15°, com 2 pontos a menos, e ambos se garantiram na Série B do ano seguinte. Em 2021, depois de 13 anos de gestão José Vanildo na FNF, ABC e América estão juntos novamente, só que agora na Série D. Será que a culpa foi da pandemia?

A exemplo dos clubes, a FNF também vem ladeira abaixo no Ranking das Federações da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Em 2008, o futebol potiguar era o 12° colocado do país, enquanto que fechou 2021 já na 15° posição, sendo ultrapassado por Alagoas, Mato Grosso e Maranhão na era José Vanildo.

A tendência é que o quadro piore. Em 2021, a FNF se manteve na 15° colocação, mas se distanciou do Maranhão (14°), que ampliou sua diferença de pontos de 842 para 2.017; e viu a Paraíba (16°) se aproximar, com uma redução de pontos de 1.488 para 484, de acordo com dados da CBF.

A queda no Ranking da CBF representa redução de vagas em competições nacionais, como a Copa do Brasil, por exemplo, e prejuízo econômico para toda a cadeia do futebol, especialmente para os clubes. A cota mínima de participação na Copa do Brasil hoje representa mais de R$ 600 mil. Montante que não entra nos cofres da maioria dos times ao longo do ano.

Na era José Vanildo, o Campeonato Potiguar também encolheu, especialmente a representatividade do interior do estado. Em 2008, 12 times disputaram a primeira divisão, sendo 7 de cidades do interior e 5 de Natal e Região Metropolitana. Em 2021, são apenas 8 times, sendo 6 de Natal e Região Metropolitana e apenas 2 do interior. Mossoró e Assú foram são as únicas cidades do interior que ainda sobrevivem no mapa do futebol potiguar.

Claro que a culpa por todo esse retrocesso não é exclusiva do presidente da federação, longe disso, mas ele, como mandatário do nosso futebol, poderia ser o guia para o desenvolvimento.

O futebol potiguar chegou ao fundo do poço, graças a uma pandemia de incompetência que já se arrasta há mais de uma década. E o pior é que os clubes não estão dispostos a buscar uma cura. Pelo contrário, deram um novo mandato a José Vanildo, que agora permanecerá à frente da FNF até 2026, pelo menos. Talvez os dirigentes achem que essa derrocada do nosso futebol não passe de uma gripizinha.

Postado em 28 de março de 2021

Secretário do prefeito ivermectina, Zé Vanildo tentou forçar a barra contra o Governo ao anunciar cancelamento que não existe

do BLOG DO MAGNOS

Secretário de Habitação no governo Álvaro Dias, o prefeito invermectina, o presidente da FNF, Zé Vanildo, tentou forçar a barra contra o Governo do RN ao anunciar, nesta quinta-feira (25), o cancelamento do Campeonato Estadual 2021.

O anúncio foi uma forma de pressionar o Governo pela liberação dos jogos do Estadual, suspensos até o dia 02 de abril, e de expor a governador Fátima Bezerra, adversária política do seu patrão.

A decisão de cancelar o campeonato foi vista com desconfiança. E o Potiguar de Mossoró tratou logo de confirmar que o cancelamento era uma farsa. O Time Macho soltou nota informando que vai esperar pelo próximo decreto do Governo. Não haveria essa necessidade se o campeonato realmente estivesse encerrado.

Como já tínhamos comentado, não se coloca fim em uma competição profissional dessa forma, de uma hora para a outra. Há muitas e grandes coisas envolvidas. Além de péssimo gestor, Zé Vanildo usou o futebol potiguar para fazer política partidária, mas foi já desmascarado pelo Potiguar.

Postado em 25 de março de 2021

BLOG DO MAGNOS: Deus escolheria salvar vidas ou agradar “donos” de igrejas?

Uma das grandes celeumas para implantação das restrições para combate ao novo coronavírus é o funcionamento das igrejas, especificamente das evangélicas – a católica suspendeu suas atividades coletivas -. Embora especialistas de todo o país apontem para a necessidade de suspensão do funcionamento coletivo das igrejas e templos religiosos – como de outras atividades -, o presidente da República, alguns governadores e a maioria dos prefeitos evitam tomar tal decisão.

Mas essa postura agradaria a Deus? Se Deus tivesse que escolher entre salvar vidas e agradar “donos” de igrejas, alguém tem dúvida de qual seria a sua opção?

Para não desagradar aos “donos” de igrejas, seu líderes e até os fiéis com viés genocida (aqueles que continuam defendendo o genocida presidente da República), os gestores preferem não seguir a escolha lógica de Deus: a preservação da vida.

Postado em 11 de março de 2021

Alguém sabe que decreto e restrições estão valendo para Mossoró?

O prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra, publicou em suas redes sociais que conversou com o prefeito de Natal, Álvaro Dias, e a Governadora do Estado, Fátima Bezerra, para apresentar sugestões para se chegar a um consenso sobre os decretos municipais estadual. Mas alguém sabe que decreto e restrições estão valendo para Mossoró?

O PORTAL DO OESTE passou toda esta quarta-feira (10) buscando informações sobre as regras que estão valendo para Mossoró. Mas, até o momento, não teve sucesso.

Questionada se o decreto municipal nº 5.959/2021, que expira hoje, seria prorrogado, a secretária municipal de Saúde, Morgana Dantas, informou que estava valendo o decreto estadual, do último sábado (06).

O PORTAL DO OESTE entrou em contato com o Procurador Geral, Raul Santos, e o Consultor Geral, Humberto Fernandes, mas eles não responderam as mensagens.

A Secretaria de Comunicação informou que estava apurando.

Se a imprensa não sabe ao certo o que está valendo, imagine a população. Falta clareza no assunto.

Postado em 10 de março de 2021

Fábio Faria virou jagunço de Bolsonaro

Já falei e volto a repetir: o deputado federal licenciado Fábio Faria (PSD/RN) se tornou ministro da República por dois motivos: mediocridade do governo Jair Bolsonaro e o sogro Sílvio Santos.

Como deputado, Fábio não contribuiu em nada com o país e muito menos com o Rio Grande do Norte. Como ministro segue na mesma toada.

Sem nada pra fazer, o filho do ex-governador Robinson Faria assumiu a função de jagunço de Bolsonaro nas redes sociais, talvez para justificar o seu cargo.

Nessa função, ele ameaça e desafia a justiça. Foi o caso do jornalista Xico Sá, que publicou no Twitter: “Impeachment ou morte”, com a hastag #BolsonaroGenocida.

Fábio Faria não gostou. Interpretou que o jornalista estava ameaçando o genocida presidente de morte. “E o Bolsonaro que é o extremista… Vamos arquivando e logo saberemos se a Lei será para todos!”, publicou o ministro.

Interessante que o deputado cobre Lei para todos. Que faça o mesmo e cobre a aplicação da lei nos desdobramento da operação Dama de Espadas, que se arrasta sem punir seus envolvidos, sendo o seu pai um dos principais réus.

Postado em 2 de março de 2021

Diretoria precisa se posicionar sobre envolvimento do nome do Potiguar em possível venda de resultados

Não é a primeira que alguém envolve o nome do Potiguar em possível venda de resultados. Agora a, por enquanto, insinuação foi mais grave por partir de um ex-jogador do time.

O lateral Matheus Gaúcho publicou no Instagram: “Meu pai e minha mãe me deram princípios. Vagabundos, sem caráter, se vendem! EU NÃO! Eu respeito a tradição desse clube e eu era maior interessado em ajudar a lutar por esse clube, mas desprezaram quem queria ajudar”.

Até o momento, a diretoria do Potiguar não divulgou qualquer posicionamento sobre a declaração do seu ex-jogador. Mas é preciso reagir ou a declaração de Matheus Gaúcho deixará de ser insinuação e passará a ser verdade.

Postado em 1 de março de 2021

Prisão do deputado Daniel Silveira e os limites da liberdade de expressão

Por Antonio Baptista Gonçalves*

A prisão do deputado federal Daniel Silveira por propagar discurso de ódio contra ministros do STF, ideias contrárias à ordem constitucional, ameaça e apologia ao AI-5 (Ato Institucional 5), tem sido motivo de debates quanto à sua legalidade e os limites da liberdade de expressão.

Na noite de terça-feira, (16), para justificar a prisão do parlamentar, o ministro Alexandre de Moraes alegou a “infração permanente”, que consiste em uma ofensa constante, cessando apenas com a vontade do agente.

Entretanto, se levanta também quais são os limites da liberdade de expressão (artigo 5º da Constituição) em detrimento de ameaças a outrem. Todo indivíduo tem direito constitucional à liberdade de opinião, entretanto, é preciso não confundir com difamação, que é quando se fala mal de outra pessoa sem fundamento algum. Dessa forma, é importante que os indivíduos entendam seus limites ao emitir opiniões e arquem com as consequências de seus excessos, inclusive o cometimento de crime.

Um dos pontos mais polêmicos da decisão liminar diz respeito à prisão em flagrante. Para o ministro, “ao parlamentar postar e permitir a divulgação do referido vídeo, encontra-se em infração permanente e consequentemente em flagrante delito, o que permite a consumação de sua prisão em flagrante”.

De acordo com o criminalista Antonio Baptista Gonçalves, presidente da Comissão de Criminologia e Vitimologia da OAB/SP – subseção de Butantã, a interpretação do flagrante por parte do ministro Moraes foi uma construção baseada em uma analogia, que não se confirma na prática. “Quando o deputado faz a ameaça, coloca em risco a integridade física de outra pessoa, no caso ministros da justiça, entretanto, isso não caracteriza um flagrante, pois o crime não estava em andamento, como assim prevê nosso ordenamento jurídico”.

Entretanto, o especialista acrescenta que poderia ser passível de análise a decretação da prisão preventiva, como o próprio ministro Moraes fez quando foi ameaçado em video por Sara Giromini. “Nada no Brasil autoriza o Supremo a ser acusador e julgador ao mesmo tempo e suprimir a independência das instituições, ele não tem autonomia jurídica para isso e deve respeitar os ritos processuais e constitucionais que ele mesmo é o responsável por garantir. Ao não fazer isso, ele fere o direito à ampla defesa e ao contraditório”.

Para Gonçalves a atitude do parlamentar merece cuidados com o objetivo de preservar o estado democrático de direito, mas é preciso respeitar os limites de cada poder. É necessária a denúncia do caso na Comissão de Ética da Câmara dos Deputados para  investigação e averiguação da conduta do parlamentar. Caso ela entenda que a postura seja grave e passível de condenação, deve remeter ao órgão competente, no caso ao Ministério Público Federal, que deverá encaminhar ao STF para que julgue e aplique as sanções cabíveis. “O correto seria o encaminhamento de reclamação para a comissão de ética da Câmara dos Deputados. Não me parece razoável privar a liberdade de alguém por uma ameaça. Logicamente que o conteúdo do vídeo é grave e assustador, o deputado deve ser responsabilizado por tudo o que disse, mas a pena por ele ter extrapolado a liberdade de expressão não pode ser confundida com a perda de liberdade”, finaliza Gonçalves.

* Antonio Baptista Gonçalves é advogado, Pós-Doutor, Doutor e Mestre pela PUC/SP e Presidente da Comissão de Criminologia e Vitimologia da OAB/SP – subseção de Butantã.

Postado em 18 de fevereiro de 2021

OPINIÃO: Com 13 vereadores de primeira viagem, bancada governista vai ter que quebrar histórico recente

A lista é longa. São 18 vereadores, de um total de 23, que formam a bancada governista, de sustentação do prefeito Allyson Bezerra (Solidariedade), na Câmara Municipal de Mossoró.

Mas a grande quantidade vai vir acompanhada de qualidade no debate? Ainda é impossível fazer essa avaliação em razão do grande número de novos vereadores que compõem a situação.

Se comparássemos apenas os três parlamentares que integram a bancada de oposição com os cinco remanescentes da legislatura passada que estão na situação, poderíamos afirmar que Allyson enfrentaria muitos problemas no legislativo.

A esperança do prefeito, então, está depositada nos novos vereadores, que podem fazer a diferença no debate (ou não). O histórico recente do legislativo mossoroense não é animador.

O eleitor mossoroense tem feito uma constante troca de nomes na Câmara, mas não tem acertado. São nomes e mais nomes, que vem e que vão, sem contribuir com o processo de discussão de Mossoró e sem deixar saudade também.

Com o seu melhor nome, Lawrence Amorim, na presidência da Casa, resta a Allyson torcer para que os novos vereadores da atual legislatura quebrem esse paradigma, ou sua numerosa bancada será engolida pela minúscula oposição.

Bancada governista

Novos nomes

Isaac da Casca (DC)

Carmem Julia de Izabel (MDB)

Cabo Tony Fernandes (Solidariedade)

Naldo Feitosa (PSC)

Wiginis do Gás (Podemos)

Lawrence (Solidariedade)

Marckuty da Maísa (Solidariedade)

Lamarque (PSC)

Gideon Ismaias (Cidadania)

Omar Nogueira (Patriota)

Paulo Igo (Solidariedade)

Edson Carlos (Cidadania)

Costinha (MDB)

Reeleitos

Zé Peixeiro (PP)

Ricardo de Dodoca (PP)

Didi de Arnor (Republicanos)

Genilson Alves (Pros)

Raério Cabeção (PSD)

Bancada de oposição

Larissa Rosado (PSDB)

Marleide Cunha (PT)

Francisco Carlos (Progressistas)

Vereadores independentes

Pablo Aires (PSB)

Lucas das Malhas (MDB)

Postado em 12 de fevereiro de 2021

OPINIÃO: Apesar de minúscula, Allyson terá oposição qualificada na Câmara

POR MAGNOS ALVES

Apenas três integrantes. Esse é o tamanho da bancada de oposição ao prefeito Allyson Bezerra (Solidariedade) na Câmara Municipal de Mossoró. Liderada pela ex-deputada estadual Larissa Rosado (PSDB), conta ainda com a sindicalista Marleide Cunha (PT) e o professor Francisco Carlos (Progressistas).

Larissa dispensa comentários. Seu currículo político fala por si só. Marleide se destacou em defesa dos servidores públicos municipais, incomodou tanto a agora ex-prefeita Rosalba Ciarlini que ganhou o título de “persona non grata da Câmara” (a pedido da então chefe do Executivo), que foi revogado após a derrota de Rosalba nas urnas. Francisco Carlos é professor da UERN (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte), tem doutorado e já uma longa experiência política. É qualificado para qualquer debate, mas sempre usou sua capacidade para defender os interesses do Palácio da Resistência. Vai estrear agora na oposição.

Tem ainda os dois vereadores que se declararam “independentes”: Pablo Aires (PSB) e Lucas das Malhas (MDB). Pablo já tem demonstrado nas redes sociais uma verdadeira postura de independência, enquanto que Lucas é uma incógnita.

Allyson hoje tem uma maioria absoluta na Câmara que lhe garante tranquilidade para aprovação dos projetos que forem enviados à Casa, mas o debate em plenário deve ser motivo de atenção para ele.

Postado em 12 de fevereiro de 2021

OPINIÃO: Palmeiras foi o “lanterna” no pior Mundial de Clubes da história

POR MAGNOS ALVES

O Palmeiras deu vexame e terminou apenas na 4ª posição no Mundial de Clubes 2020, encerrado nesta quinta-feira (11), em Doha.

Na prática, o time brasileiro ficou na lanterna, a partir da fase em que ele entrou na competição: as semifinais. O Palmeiras volta para casa sem vitória ou gol marcado no Catar.

O título ficou com o favorito Bayern de Munique, da Alemanha, que também não apresentou um grande futebol no que pode ser considerado o pior Mundial de Clubes da história.

Foto: Cesar Grego

Postado em 12 de fevereiro de 2021

Às 11h55: Governo do RN recebe novo lote de vacinas contra Covid-19 neste domingo

Neste domingo (07), o Governo do Rio Grande do Norte recebe novas doses da vacina contra Covid-19. Desta vez, serão 46.800 doses da CoronaVac.

O voo com a carga do imunizante está previsto para chegar às 11h55 no Aeroporto Internacional Aluízio Alves, no município de São Gonçalo do Amarante.

Postado em 6 de fevereiro de 2021

Com contratos milionários e sem licitação, terceirizadas deixaram de ser cobradas

Se existe mundo perfeito (no mínimo, quase) no ramo dos negócios é o das empresas que prestam serviço de mão de obra terceirizada a Prefeitura de Mossoró.

São empresas que acumulam seguidos contratos milionários sem licitação e que nos últimos anos receberam o aval da imprensa para atrasar salários.

A imprensa institucionalizou o pagamento dos salários dos trabalhadores terceirizados para o Município, embora legalmente eles sejam funcionários das empresas.

Há poucos anos, a imprensa cobrava as empresas pelos salários dos trabalhadores, e ao Município pelos repasses a essas empresas. Mas a partir do último governo de Rosalba Ciarlini, as empresas sumiram desse processo. Podemos dizer que a imprensa fez uma ligação direta entre terceirizados e a Prefeitura de Mossoró.

A situação está assim agora: o Município não contrata (oficialmente e legalmente) os terceirizados, mas é responsabilizado pelo pagamento dos seus salários. Se essas empresas não respondem pelos salários de seus funcionários, qual a serventia delas? Apenas soma seus lucros em contratos milionários e sem concorrência? Realmente é um mundo mágico.

Postado em 6 de fevereiro de 2021