Mossoró/RN, 26 de Julho de 2021


MAGNOS ALVES
Jornalista

BLOG DO MAGNOS: Lawrence ameaça eleição de Kelps e sua candidatura a federal pode ter virado um problema no Solidariedade

A candidatura do vereador e presidente da Câmara de Mossoró, Lawrence Amorim (Solidariedade), a deputado federal nas eleições de 2022 deixou de ser praticamente certa para se tornar uma possibilidade. O próprio parlamentar tem dito que vai depender da conjuntura do momento. Mas o que fez Lawrence, atual suplente do deputado federal General Girão (PSL), recuar um pouco em seu projeto político? Terá sido o deputado estadual Kelps Lima?

“Dono” do Solidariedade no Rio Grande do Norte, Kelps vai disputar uma vaga na Câmara dos Deputados no próximo, na certeza que o seu partido conquista uma cadeira. Estaria Kelps com medo de perder esse assento para Lawrence? E por isso o vereador estaria sendo desestimulado? São situações bem possíveis de estarem ocorrendo nos bastidores do Solidariedade.

Em 2018, Lawrence teve 24.551 votos para deputado federal, enquanto que Kelps se reelegeu deputado estadual com 33.819. Claro que são votos diferentes para federal e estadual, mas são números que permitem apostar em uma disputa acirrada entre os dois no próximo ano, se a concorrência entre eles for para o mesmo cargo.

Se contar com o apoio do prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra, Lawrence tem toda as condições de bater de frente com Kelps. O deputado estadual vai querer correr esse risco? Uma eventual retirada da candidatura do vereador, deve levar Allyson a apoiar Kelps, o que lhe garantiria, sem dúvida nenhuma, assento no Congresso Nacional.

É possível que a antecipação da eleição para Mesa Diretora da Câmara de Mossoró, que garantiu Lawrence na presidência até dezembro de 2024, faça parte das negociações para o edil recuar do seu projeto político para 2022.

Está claro que a prioridade número um, dois e três do Solidariedade para 2022 é eleger Kelps. E ele não vai colocar esse projeto pessoal em risco.

Diante dos fatos expostos, a conclusão é que a candidatura de Lawrence a deputado federal não deve interessar a Kelps. Outro pensamento diferente desse, só se o Solidariedade tivesse cacife para eleger dois deputados federais. Mas ai já é outra história.

Postado em 24 de julho de 2021

BLOG DO MAGNOS: Kelps tenta entrar em Mossoró como “amigo” de Allyson e começa a dar sinais que será o candidato a federal do prefeito

Chamou a atenção o último release disparado pela assessoria de comunicação do deputado estadual Kelps Lima (Solidariedade). O material para divulgar a destinação de emenda parlamentar para Mossoró* enfatiza a amizade entre o deputado e o prefeito Allyson Bezerra. “Amigo de Allyson” destaca a manchete do release logo de saída.

Claro que a amizade entre os dois existe. Allyson é um produto da escola política de Kelps. Mas a exploração pública (e talvez forçada) dessa relação faz parte da estratégia de Kelps para entrar de vez no eleitorado mossoroense.

Kelps vai ser candidato a deputado federal e provavelmente será o nome de Allyson, caso o presidente da Câmara de Mossoró Lawrence Amorim não leve seu projeto de também disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados adiante (Kelps pode até ser o motivo do recuo do vereador, mas isso é outra história que contaremos depois), e entende a necessidade de já começar a fortalecer junto ao público essa relação de amizade para facilitar a sua aceitação no segundo maior colégio eleitoral do Rio Grande do Norte. .

*Kelps entregou ofício com a liberação de emenda no valor de 350 mil reais para a saúde de Mossoró.

Postado em 21 de julho de 2021

BLOG DO MAGNOS: Coronel Azevedo cobra respeito aos mortos pela Covid-19 no RN com quadro gigante de Bolsonaro como testemunha

O deputado estadual Coronel Azevedo (PSC) é um dos mais eufóricos com a CPI da Covid-19 instalada na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.

Ele tem lembrado que “foram sete mil vidas perdidas no Rio Grande do Norte para a Covid-19 e também cobrado respeito a essas vítimas.

Uma posição elogiável, se Coronel Azevedo não tivesse o presidente da República Jair Bolsonaro como testemunha de sua falsa preocupação com os mortos da pandemia do novo coronavírus.

Como pode ser verdadeira a cobrança de um deputado fanático pelo presidente que fez e faz pouco caso com a pandemia e com as vidas de mais de meio milhão de brasileiros?

Enquanto cobra por sete mil vidas no RN, Coronel Azevedo fecha os olhos para os mais de meio milhão de brasileiros mortos, inclusive os mais de sete mil potiguares, e até homenageia o principal responsável por essa tragédia com um quadro gigante em seu gabinete.

Foto: Reprodução INTER TV

Postado em 21 de julho de 2021

Do Chororô Jurídico do Presidente Junto ao STF – para evitar o repasse de R$ 3,5 bilhões para garantir o acesso à internet, com fins educacionais

Por Dr Marcelo Válio  

Nesta semana a Advocacia Geral da União, a pedido do Presidente da República distribuiu junto ao Supremo Tribunal Federal a ADI – Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 6926 – NÚMERO ÚNICO: 0057412-62.2021.1.00.0000) em face da Lei 14.172 que determinou o repasse de R$ 3,5 bilhões do orçamento para garantir o acesso à internet, com fins educacionais, a alunos e professores da educação básica pública.

No processo de formação da Lei, quando ainda o Projeto de Lei estava em votação, foi vetado pelo Digníssimo Presidente da República, justificando não haver estimativa do impacto orçamentário e financeiro gerado pelo projeto de lei.

Todavia, o veto foi superado no Congresso Nacional e a Lei entrou em vigor. Com a entrada da vigência da lei, tenta agora o Presidente da República suspender seus efeitos junto ao STF, apelando aos seguintes e resumidos argumentos: “é necessário esclarecer que os critérios de repasse estabelecidos pela lei questionada de forma genérica exigem um meticuloso trabalho administrativo para a efetivação correta das transferências”; “existe uma série de procedimentos que seriam necessários para a implementação da despesa imposta pela lei questionada, seja no âmbito legislativo, com a inserção de nova ação orçamentária, seja no próprio plano burocrático, com a criação de um fluxo que permita a realização dos repasses”; “em respeito ao princípio da eventualidade, caso esse Supremo Tribunal Federal não entenda que o diploma legislativo questionado é integralmente inconstitucional, passa-se à formulação de dois pedidos subsidiários. O primeiro é a declaração de inconstitucionalidade do artigo 2º, caput, da Lei nº 14.172/2021, ou seja, do valor a ser transferido pela União aos Estados e ao Distrito Federal, em razão de sua desconformidade com os limites fiscais” e “o governo argumenta que a imposição da iniciativa parlamentar afronta o devido processo legislativo, pois interfere na gestão material e de pessoal da Administração Pública”. Entretanto, a concessão da liminar requerida e a declaração de inconstitucionalidade da lei não é o caminho correto a ser seguido pelo STF.

Notória a desigualdade de acesso a internet pela população brasileira, sendo observado com maior intensidade na pandemia e no isolamento social, quando alunos e professores tiveram que se adaptar ao acesso remoto de aulas.
Além disso, não há o que se falar em desequilíbrio fiscal, pois é possível o ajuste orçamentário devido.
Outrossim, a liberação de recursos decorre de uma demanda urgente pelo acesso à educação remota, com intuito de garantir acesso ao ensino híbrido (ao retomar parte das atividades presenciais nas escolas).
A conexão fixa na casa dos beneficiários da lei ou em comunidades, quando for comprovado o custo-efetividade é um direito de acesso à informação, cultura e educação.

Importante dizer também que os recursos serão voltados a alunos da rede pública que sejam de famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), alunos de comunidades indígenas e quilombolas, professores da educação básica, e a prioridade será, pela ordem, alunos do ensino médio, alunos do ensino fundamental, professores do ensino médio e professores do ensino fundamental. A defasagem das escolas públicas em direção a o mundo digital é fato notório e pensar em desequilíbrio fiscal é negar o acesso à educação atual e de exercício pleno de emprego pelos docentes.

A tecnologia é parte do atual processo de educação e negar acesso à internet com fins educacionais é vetar o direito constitucional da educação, bem como social do pleno emprego.

O acesso à educação é um direito básico na atualidade se equiparando a um direito vital do indivíduo em um mundo tecnológico. Assim, questões financeiras neste momento não podem servir de base de acolhimento de uma ADIN decorrente de uma lei tão importante para o ser humano digital.

Enfim, a educação de qualidade e acessível é a única saída deste país visando um Brasil melhor para nossos filhos, netos e bisnetos.    

Sobre o professor pós doutor Marcelo Válio: graduado em 2001 PUC/SP, Marcelo Válio é especialista em direito constitucional pela ESDC, especialista em direito público pela EPD/SP, mestre em direito do trabalho pela PUC/SP, doutor em filosofia do direito pela UBA (Argentina), doutor em direito pela FADISP, pós doutor em direito pelo Universidade de Messina (Itália) e pós doutorando em direito pela Universidade de Salamanca (Espanha), e é referência nacional na área do direito dos vulneráveis (pessoas com deficiência, autistas, síndrome de down, doenças raras, burnout, idosos e doentes).  

Postado em 8 de julho de 2021

BLOG DO MAGNOS – FINISA: O tiro que saiu pela culatra

Pegar um empréstimo às pressas, atropelando a Câmara e contando com a aliança da maioria dos vereadores, foi o último tiro da então prefeita Rosalba Carlini para tentar garantir o seu projeto de reeleição. Só que o tiro saiu pela culatra.

Apesar de receber a primeira parte do empréstimo de cerca de R$ 150 milhões e sair pelas ruas de Mossoró anunciando uma obra depois de outra, o projeto de reeleição de Rosalba fracassou. E pior: o empréstimo FINISA é hoje o principal alicerce do governo Allyson Bezerra.

Embora Rosalba ainda esteja fazendo força para aparecer com o FINISA nas redes sociais, o fato é que Allyson é quem colhe os louros do empréstimo agora, de rua em rua, de bairro em bairro.

A Prefeitura de Mossoró recebeu R$ 38.564.663,14 do FINISA até o encerramento do mandato de Rosalba, em 31 de dezembro de 2020. Neste ano, em poucos mais de seis meses do governo Allyson, já foram R$ 42.442.027,85. E o atual prefeito ainda tem mais cerca de R$ 70 milhões a receber.

No final, a ideia de Rosalba de fazer o empréstimo foi realmente um grande negócio… …para Allyson.

Postado em 5 de julho de 2021

BLOG DO MAGNOS: “Homem da garupa de Bolsonaro” rouba a cena em evento com dois ministros em Mossoró

O evento era para “entrega de programas”, mas quem roubou a cena na reunião “Comunicação é Cidadania” foi “o homem que estava na garupa do presidente Bolsonaro” na motociata realizada em São Paulo, no final de semana passado.

Os dois ministros presentes na solenidade, Fábio Faria (Comunicações) e João Roma (Cidadania) se apequenaram diante do deputado federal Cezinha de Madureira (PSD/SP), “o homem que estava na garupa do presidente Bolsonaro”.

O fato de o deputado ter estado na garupa do presidente foi exaltado primeiro por João Roma, seguido de Fábio Faria. Diante de fato “tão importante”, as “entregas” dos dois ministérios ficaram em segundo plano.

Postado em 16 de junho de 2021

Allyson silencia sobre ação da Prefeitura de Mossoró no Vuco Vuco

MAGNOS ALVES – magnos.alves@gmail.com

O prefeito Allyson Bezerra decidiu adotar o silêncio como estratégia sobre a ação da Prefeitura de Mossoró que retirou quiosques do Mercado do Vuco Vuco e tem causado desgaste à sua imagem, principalmente pela exploração do caso pela oposição, especialmente os rosalbistas.

O prefeito não falou ou publicou uma linha sequer sobre o assunto nas redes sociais, que é sua principal ferramenta de comunicação.

O silêncio do chefe só leva a uma conclusão: o secretário Brenno Queiroga teve aval superior para bater de frente com os ambulantes que estavam instalados no Vuco Vuco. Os dois, inclusive, cumpriram agenda juntos hoje, na zona rural.

A justificativa é que a ação foi para “organizar” o espaço e que as barracas estavam irregulares. Mas é um argumento frágil. Há barracas irregulares causando desorganização em todo o Centro de Mossoró. Queiroga também vai arrancá-las?

Postado em 22 de abril de 2021

Mais especialistas em hospitais com UTI Covid-19 podem salvar vidas

Depois de acompanhar de perto a perda de uma vida, de um jovem de apenas 25 anos, para a Covid-19, verifiquei que ausência de alguns especialistas nos hospitais está impedindo a recuperação de muitos pacientes críticos e, consequentemente, contribuindo para a morte deles.

A presença de especialistas como infectologista, pneumologista e psicólogo nas equipes de UTI de atendimento Covid-19 é de grande importância para os pacientes. Não vou dizer que ninguém vai morrer, mas não resta dúvida que muitas vidas serão salvas.

Infelizmente, o Hospital São Luiz, o Hospital de Campanha de Mossoró, conta com equipe médica limitada, digamos que apenas com o trivial e não o essencial. O Governo do Estado e a Prefeitura de Mossoró precisam se atentar para a importância desses especialistas no acompanhamento diário dos pacientes, ou continuaremos a ser derrotados, sem grandes reação, pela Covid-19.

Postado em 21 de abril de 2021

Governo Allyson repete Rosalba e arranca barracas de camelôs na calada da noite; Secretaria fala em organização; veja vídeo

O governo do prefeito Allyson Bezerra deu mais uma volta no tempo para repetir ação já praticada pela ex-prefeita Rosalba Ciarlini. Na noite desta terça-feira (20), a Prefeitura de Mossoró arrancou barracas de camelôs que estavam instaladas no Mercado do Vuco-Vuco. A então prefeita Rosalba já havia feito algo do tipo em 2020, só que o alvo estava na Rua Coronel Gurgel.

Voltando mais no tempo, Francisco José Júnior também desencadeou ação contra os ambulantes, em 2015. em uma manhã em que Mossoró parecia estar em guerra. Várias barracas foram retiradas, mas foram reinstaladas depois. A ação virou até motivo de piada, diante da solução apresentada pelo então prefeito: distribuir os comerciantes por alguns pontos da cidade em espaços reduzidos, um quadrado de um metro ou menos.

Em nota, a Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo disse que a retirada das barracas “melhora organização no Vuco Vuco” (veja a nota assinada pelo secretário Brenno Queiroga na íntegra no final do texto).

Então, se o objetivo é organizar, a Prefeitura fará a mesma retirada de barracas da Coronel Gurgel, do Mercado Publico Central e demais ruas do Centro? Ou essa organização se limita ao Vuco Vuco e por qual motivo se limita ao Vuco Vuco? O que os comerciantes do Vuco Vuco têm para serem atendidos num pedido de retirada de ambulantes que os demais, da Coronel Gurgel, do Mercado Público…, não têm?

Essa peleja é antiga. Em 2019, a gestão Rosalba afirmou ter um projeto para acabar com esse problema. Se tinha, até hoje ninguém viu.

A ação desta terça-feira pode até agradar os comerciantes “oficiais” do Vuco Vuco, mas não resolve o problema e deixa claro que foi uma medida apenas para atender a alguém ou a alguns e não ao povo de Mossoró.

O Governo Allyson começa de forma errada a sua relação com esse problema crônico.

Confira a nota da Prefeitura de Mossoró na íntegra:

Secretaria melhora organização no Vuco Vuco

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo concluiu a operação de remoção de boxes irregulares e outros “esqueletos” de boxes, colocados em 2021 no Mercado do Vuco Vuco.

Alguns, inclusive, bloqueavam calçadas, acesso a rampas para pessoas com deficiência e sistema de esgotamento sanitário.

Portanto, a remoção garante acessibilidade, melhora a circulação de pessoas e a organização do mercado, entre outros benefícios.

A secretaria já havia notificado responsáveis para retirada das barracas fora do padrão, que, contudo, continuavam a se multiplicar.

Os boxes foram colocados na virada do ano novo, e alguns estavam sendo vendidos. Usar o patrimônio público para venda é ilegal.

A operação também atendeu apelo dos comerciantes do Vuco Vuco que trabalham há anos no mercado de maneira legalizada.

Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo

Brenno Queiroga – Secretário

Mossoró, terça-feira, 20 de abril de 2021

Confira vídeo publicado nas redes sociais pelo vereador Pablo Aires:

Postado em 21 de abril de 2021

Um clima de ódio e desconfiança alimentado pelo presidente Bolsonaro

POR REPÓRTERES SEM FRONTEIRAS

Ameaças, agressões, assassinatos…  O Brasil continua sendo um país particularmente violento para a imprensa, em que muitos jornalistas são mortos em conexão com seu trabalho. Na maioria dos casos, esses repórteres, locutores de rádio, blogueiros e outros profissionais da informação estavam cobrindo histórias relacionadas à corrupção, políticas públicas ou crime organizado em cidades de pequeno e médio porte, nas quais estão mais vulneráveis.

O trabalho da imprensa brasileira tornou-se especialmente complexo desde que Jair Bolsonaro foi eleito presidente, em 2018.  Insultos, difamação, estigmatização e humilhação de jornalistas passaram a ser a marca registrada do presidente brasileiro.

Qualquer revelação da mídia que ameace os seus interesses ou de seu governo desencadeia uma nova rodada de ataques verbais violentos, que fomentam um clima de ódio e desconfiança em relação aos jornalistas no Brasil. A pandemia do coronavírus expôs sérias dificuldades de acesso à informação no país e deu origem a novos ataques do presidente contra a imprensa, que ele rotula como responsável pela crise e que tenta transformar em verdadeiro bode expiatório.

Além disso, a paisagem midiática brasileira ainda é bastante concentrada, sobretudo nas mãos de grandes famílias de industriais, com frequência, próximas da classe política. O sigilo das fontes é regularmente prejudicado e muitos jornalistas investigativos são alvo de processos judiciais abusivos.

O Brasil caiu quatro posições na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021, ocupando a 111° colocação entre 180 países e territórios.

Postado em 20 de abril de 2021

Governo Allyson vai repetir Silveira e Rosalba em só dar resposta para matéria oba-oba?

Já são duas matérias publicadas pelo PORTAL DO OESTE que não tiveram respostas da Prefeitura de Mossoró. Prefiro ainda não acreditar que o governo Allyson Bezerra vai repetir os ex-prefeitos Silveira Júnior e Rosalba Ciarlini em só dar resposta para publicações oba-oba, aquelas que enxergam um mundo perfeito que não existe.

Denunciamos que a Unidade Básica de Saúde (UBS) Bernadete Bezerra de Souza Ramos estava agendado aplicação da segunda dose da vacina Coronovac para depois do prazo de 28 dias, mesmo com a Prefeitura fazendo campanha para as pessoas voltarem para tomar a segunda dentro do prazo, que é de 28 dias. Procuramos a Prefeitura de Mossoró por uma resposta. Não tivemos.

Denunciamos que a obra do muro de ampliação do Cemitério Novo Tempo se arrasta e que os corpos estão sendo sepultados sob a proteção apenas de mato. Procuramos a Prefeitura de Mossoró por uma resposta. Não tivemos novamente.

É esperar que a mudança prometida por Allyson se estenda também para a relação com a imprensa. Só queremos repostas para informar ao público.

Postado em 13 de abril de 2021

Os 100 dias de Allyson não é 8 e nem 80

Por MAGNOS ALVES – magnos.alves@gmail.com

Estando aqui “desocupado”, após comemorar mais um título do Flamengo, agora sobre o Palmeiras, resolvo fazer uma análise sobre os 100 primeiros dias da gestão do prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra. Serei muito breve, como a alegria dos palmeirenses na disputa por pênaltis. A avaliação que faço é que, por enquanto, o governo do “pobrezinho” não é 8 e nem 80.

Não há grandes feitos a apontar, talvez a liberação do Estádio Nogueirão possa ser colocada numa lista de coisas importantes realmente feitas por interesse e esforço da atual gestão. Mas também não temos e nem devemos cobrar algo extraordinário, pelo menos tão cedo. São apenas 100 dias.

Por enquanto, Allyson surfa nas obras herdadas, paga os salários da sua gestão dentro mês (dezembro ainda aguarda conclusão) e se esforça para tornar algo pequeno ou mediano em grande, por meio de um trabalho incessante de mídia.

Não há nesses 100 dias motivo para grande celebração ou preocupação. Aliás, considero que avaliar uma gestão, após tão pouco tempo, é uma atitude tão desnecessária quanto o pênalti cometido por Rodrigo Caio no jogo de hoje. Deixa a bola rolar.

Postado em 11 de abril de 2021

FNF assume farsa e anuncia “descancelamento” do Campeonato Estadual

A Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF) confirmou há pouco o “descancelamento” do Campeonato Estadual 2021. O cancelamento que nunca existiu de fato, deixa de existir também na ficção criada para pressionar o Governo do RN pela liberação dos jogos.

A FNF publicou que o presidente José Vanildo irá reunir os clubes disputantes para definir o reinício da competição. Nenhum time terá problema por falta de comissão técnica ou jogadores. Ninguém foi demitido, apesar do cancelamento anunciado.

O futebol potiguar fica ainda mais pobre, depois de tentar sustentar uma mentira insustentável.

Postado em 1 de abril de 2021

Governo libera e times do RN voltam a treinar para campeonato “cancelado”; não souberam nem mentir

O Governo do Estado liberou e os times profissionais do Rio Grande do Norte voltaram a treinar nesta terça-feira (30). A preparação, acreditem, é para um campeonato que foi “cancelado”.

O cancelamento de mentirinha foi anunciado pelo presidente da FNF (Federação Norte-rio-grandense de Futebol), José Vanildo, na última quinta-feira (25), como forma de pressionar o Governo do RN a liberar os treinos das equipes e os jogos do Campeonato Estadual 2021, bem como expor politicamente a governadora Fátima Bezerra.

Incrível que se passaram quatro dias desde o cancelamento da competição e nenhum time tenha demitido técnico ou dispensado jogadores. Ora, dos oito times, apenas ABC e América participam de outras competições. As outras seis só jogam o Estadual. Por qual motivo mentiriam suas comissões técnicas e elencos se a competição realmente fosse cancelada? Quem se envolveu com essa farsa, não soube nem mentir.

Postado em 30 de março de 2021

Opinião: O vírus que matou o futebol potiguar foi o da incompetência

DO BLOG DO MAGNOS

A semana foi marcada pela falsa ameaça de cancelamento do Campeonato Estadual 2021. O falso anúncio foi feito pelo presidente da FNF, José Vanildo. Afirmo ser falso por dois motivos: 1: Não se cancela um campeonato profissional da uma hora pra outra; 2: O Potiguar divulgou nota informando que vai esperar pelo novo decreto estadual de enfrentamento à pandemia. É lógico que se o campeonato tivera sido cancelado, o time mossoroense não teria motivo para esperar por novo decreto.

Na verdade, o falso cancelamento não passou de um ato político e de pressão do presidente FNF sobre a governadora Fátima Bezerra e o Governo do RN. A motivação política é fácil de explicar: José Vanildo, o presidente, faz parte do quadro de secretários da Prefeitura do Natal, na pasta da Habitação, e o prefeito da capital, Álvaro Dias, é o principal opositor às medidas adotadas por Fátima ao longo da pandemia, enquanto ela defende isolamento social e medidas orientadas pela ciência, ele faz propaganda por ivermectina, um dos medicamento sem eficácia comprovada contra a Covid-19.

As restrições necessárias e impostas pela pandemia do novo coronavírus já estão sendo colocadas, pelo oportunistas, como culpadas “pelo fim do futebol potiguar”. Que piada mais sem graça! O vírus que realmente destruiu o futebol local foi o da incompetência.

Daqui a 13 dias, em 10 de abril, José Vanildo completa 13 anos à frente da FNF. Ele era vice-presidente e assumiu em 2008, depois que o presidente Alexandre Cavalcanti renunciou. De lá pra cá, o futebol potiguar caiu da segunda para a quarta, e última, divisão do futebol nacional. Será que a culpa foi da pandemia?

Em 2008, ABC e América, os dois principais clubes do estado, disputaram juntos a Série B do Campeonato Brasileiro. O alvinegro foi o 13° colocado, com 48 pontos, e o alvirrubro o 15°, com 2 pontos a menos, e ambos se garantiram na Série B do ano seguinte. Em 2021, depois de 13 anos de gestão José Vanildo na FNF, ABC e América estão juntos novamente, só que agora na Série D. Será que a culpa foi da pandemia?

A exemplo dos clubes, a FNF também vem ladeira abaixo no Ranking das Federações da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Em 2008, o futebol potiguar era o 12° colocado do país, enquanto que fechou 2021 já na 15° posição, sendo ultrapassado por Alagoas, Mato Grosso e Maranhão na era José Vanildo.

A tendência é que o quadro piore. Em 2021, a FNF se manteve na 15° colocação, mas se distanciou do Maranhão (14°), que ampliou sua diferença de pontos de 842 para 2.017; e viu a Paraíba (16°) se aproximar, com uma redução de pontos de 1.488 para 484, de acordo com dados da CBF.

A queda no Ranking da CBF representa redução de vagas em competições nacionais, como a Copa do Brasil, por exemplo, e prejuízo econômico para toda a cadeia do futebol, especialmente para os clubes. A cota mínima de participação na Copa do Brasil hoje representa mais de R$ 600 mil. Montante que não entra nos cofres da maioria dos times ao longo do ano.

Na era José Vanildo, o Campeonato Potiguar também encolheu, especialmente a representatividade do interior do estado. Em 2008, 12 times disputaram a primeira divisão, sendo 7 de cidades do interior e 5 de Natal e Região Metropolitana. Em 2021, são apenas 8 times, sendo 6 de Natal e Região Metropolitana e apenas 2 do interior. Mossoró e Assú foram são as únicas cidades do interior que ainda sobrevivem no mapa do futebol potiguar.

Claro que a culpa por todo esse retrocesso não é exclusiva do presidente da federação, longe disso, mas ele, como mandatário do nosso futebol, poderia ser o guia para o desenvolvimento.

O futebol potiguar chegou ao fundo do poço, graças a uma pandemia de incompetência que já se arrasta há mais de uma década. E o pior é que os clubes não estão dispostos a buscar uma cura. Pelo contrário, deram um novo mandato a José Vanildo, que agora permanecerá à frente da FNF até 2026, pelo menos. Talvez os dirigentes achem que essa derrocada do nosso futebol não passe de uma gripizinha.

Postado em 28 de março de 2021

Secretário do prefeito ivermectina, Zé Vanildo tentou forçar a barra contra o Governo ao anunciar cancelamento que não existe

do BLOG DO MAGNOS

Secretário de Habitação no governo Álvaro Dias, o prefeito invermectina, o presidente da FNF, Zé Vanildo, tentou forçar a barra contra o Governo do RN ao anunciar, nesta quinta-feira (25), o cancelamento do Campeonato Estadual 2021.

O anúncio foi uma forma de pressionar o Governo pela liberação dos jogos do Estadual, suspensos até o dia 02 de abril, e de expor a governador Fátima Bezerra, adversária política do seu patrão.

A decisão de cancelar o campeonato foi vista com desconfiança. E o Potiguar de Mossoró tratou logo de confirmar que o cancelamento era uma farsa. O Time Macho soltou nota informando que vai esperar pelo próximo decreto do Governo. Não haveria essa necessidade se o campeonato realmente estivesse encerrado.

Como já tínhamos comentado, não se coloca fim em uma competição profissional dessa forma, de uma hora para a outra. Há muitas e grandes coisas envolvidas. Além de péssimo gestor, Zé Vanildo usou o futebol potiguar para fazer política partidária, mas foi já desmascarado pelo Potiguar.

Postado em 25 de março de 2021

BLOG DO MAGNOS: Deus escolheria salvar vidas ou agradar “donos” de igrejas?

Uma das grandes celeumas para implantação das restrições para combate ao novo coronavírus é o funcionamento das igrejas, especificamente das evangélicas – a católica suspendeu suas atividades coletivas -. Embora especialistas de todo o país apontem para a necessidade de suspensão do funcionamento coletivo das igrejas e templos religiosos – como de outras atividades -, o presidente da República, alguns governadores e a maioria dos prefeitos evitam tomar tal decisão.

Mas essa postura agradaria a Deus? Se Deus tivesse que escolher entre salvar vidas e agradar “donos” de igrejas, alguém tem dúvida de qual seria a sua opção?

Para não desagradar aos “donos” de igrejas, seu líderes e até os fiéis com viés genocida (aqueles que continuam defendendo o genocida presidente da República), os gestores preferem não seguir a escolha lógica de Deus: a preservação da vida.

Postado em 11 de março de 2021

Alguém sabe que decreto e restrições estão valendo para Mossoró?

O prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra, publicou em suas redes sociais que conversou com o prefeito de Natal, Álvaro Dias, e a Governadora do Estado, Fátima Bezerra, para apresentar sugestões para se chegar a um consenso sobre os decretos municipais estadual. Mas alguém sabe que decreto e restrições estão valendo para Mossoró?

O PORTAL DO OESTE passou toda esta quarta-feira (10) buscando informações sobre as regras que estão valendo para Mossoró. Mas, até o momento, não teve sucesso.

Questionada se o decreto municipal nº 5.959/2021, que expira hoje, seria prorrogado, a secretária municipal de Saúde, Morgana Dantas, informou que estava valendo o decreto estadual, do último sábado (06).

O PORTAL DO OESTE entrou em contato com o Procurador Geral, Raul Santos, e o Consultor Geral, Humberto Fernandes, mas eles não responderam as mensagens.

A Secretaria de Comunicação informou que estava apurando.

Se a imprensa não sabe ao certo o que está valendo, imagine a população. Falta clareza no assunto.

Postado em 10 de março de 2021

Fábio Faria virou jagunço de Bolsonaro

Já falei e volto a repetir: o deputado federal licenciado Fábio Faria (PSD/RN) se tornou ministro da República por dois motivos: mediocridade do governo Jair Bolsonaro e o sogro Sílvio Santos.

Como deputado, Fábio não contribuiu em nada com o país e muito menos com o Rio Grande do Norte. Como ministro segue na mesma toada.

Sem nada pra fazer, o filho do ex-governador Robinson Faria assumiu a função de jagunço de Bolsonaro nas redes sociais, talvez para justificar o seu cargo.

Nessa função, ele ameaça e desafia a justiça. Foi o caso do jornalista Xico Sá, que publicou no Twitter: “Impeachment ou morte”, com a hastag #BolsonaroGenocida.

Fábio Faria não gostou. Interpretou que o jornalista estava ameaçando o genocida presidente de morte. “E o Bolsonaro que é o extremista… Vamos arquivando e logo saberemos se a Lei será para todos!”, publicou o ministro.

Interessante que o deputado cobre Lei para todos. Que faça o mesmo e cobre a aplicação da lei nos desdobramento da operação Dama de Espadas, que se arrasta sem punir seus envolvidos, sendo o seu pai um dos principais réus.

Postado em 2 de março de 2021

Diretoria precisa se posicionar sobre envolvimento do nome do Potiguar em possível venda de resultados

Não é a primeira que alguém envolve o nome do Potiguar em possível venda de resultados. Agora a, por enquanto, insinuação foi mais grave por partir de um ex-jogador do time.

O lateral Matheus Gaúcho publicou no Instagram: “Meu pai e minha mãe me deram princípios. Vagabundos, sem caráter, se vendem! EU NÃO! Eu respeito a tradição desse clube e eu era maior interessado em ajudar a lutar por esse clube, mas desprezaram quem queria ajudar”.

Até o momento, a diretoria do Potiguar não divulgou qualquer posicionamento sobre a declaração do seu ex-jogador. Mas é preciso reagir ou a declaração de Matheus Gaúcho deixará de ser insinuação e passará a ser verdade.

Postado em 1 de março de 2021